Google+ Followers

Thursday, April 20, 2006

I Dig it 010



Oi nóis aqui 'travêis...
O mote do Dig it #010 (êi... assina o feed aí do lado: tem 2 opções - php ou feedburner) é Materialismo... e como no nosso mundinho "o mar não está p'ra peixe" vou de:


Police: Spirits in the Material World

There is no political solution
To our troubled evolution
Have no faith in constitution
There is no bloody revolution

We are spirits in the material world
Are spirits in the material world
Are spirits in the material world
Are spirits in the material world

Our so-called leaders speak
With words they try to jail you
The subjugate the meek
But it’s the rhetoric of failure
We are spirits in the material world
Are spirits in the material world
Are spirits in the material world
Are spirits in the material world

Where does the answer lie?
Living from day to day
If it’s something we can’t buy
There must be another way

We are spirits in the material world
Are spirits in the material world
Are spirits in the material world
Are spirits in the material world


Notas Iniciais:
(1) Não tem jeito... a estrutura atual não deixa o programa ter menos de 30 e poucos minutos... Assim, como já anunciado vamos evoluir... breve um Impressões Digitais repaginado.

(2) Mantendo a tendência anterior agradeço ao pessoal novo que anda ouvindo o I Dig. Uêba!!! 'Tá aumentando a base de ouvintes!!!!!

(3) Gozado! Parece que o pessoal 'tá preferindo baixar o mp3 diretamente ao invés de assinar o feed. Será que este pessoal anda encontrando dificuldades para administrar o feed? Se este é o seu caso envie um emaiil, terei o maior prazer em dar umas dicas de como assinar um feed e administrar um agregador.

(4) Continuo esperando os áudio-comments prometidos...


No Manual do Torneiro Mecânico só anuncio o esforço para comprovar empíricamente a equação de Einstein E=mc2. Quando percebi que a descrição dos testes realizados era um pouquinho especializada demais, achei melhor indicar o site onde descreve-se simplificadamente os experimentos.

No Homo Sapiens abordei as reais expectativas de consumo das 2 principais classes sociais urbanóides brasileiras: os pobres e os remediados... Consumos específicos e distintos que podem ser saciados principalmente em 2 locais: Camelódromo e Showmício.











No Caiu na Rede demonstro cabalmente - executando uma versão da Gizele Silveira (a Madoninha Capixaba) - que a relação com a cultura pop globalizada ao mesmo tempo que produz novas tendências sulturais valorosas, pode - se deixar por conta de algumas cabecinhas - gerar mutantes esterotipados horripilantes.


Madonna: Material Girl (by Peter Brown and Robert Rans)

Some boys kiss me, some boys hug me
I think they're O.K.
If they don't give me proper credit
I just walk away

They can beg and they can plead
But they can't see the light, that's right
'Cause the boy with the cold hard cash
Is always Mister Right, 'cause we are

Living in a material world
And I am a material girl
You know that we are living in a material world
And I am a material girl

Some boys romance, some boys slow dance
That's all right with me
If they can't raise my interest then I
Have to let them be

Some boys try and some boys lie but
I don't let them play
Only boys who save their pennies
Make my rainy day, 'cause they are

Living in a material world
And I am a material girl
You know that we are living in a material world
And I am a material girl

Living in a material world (material)
Living in a material world
Living in a material world (material)
Living in a material world

Boys may come and boys may go
And that's all right you see
Experience has made me rich
And now they're after me, 'cause everybody's

Living in a material world
And I am a material girl
You know that we are living in a material world
And I am a material girl

A material, a material, a material, a material world

Living in a material world (material)
Living in a material world



No É a Ignorança qui Astravanca o Progréssio caio no vazio, ou seja, falo de políticos... Tudo começou com uma frase do meu irmão mais novo que resume toda uma dialética imbatível: "Você quer ferrar com qualquer coisa hoje em dia? Bota na mão do governo..." e a associação de idéias com o que ando lendo atualmente (um montão de filósofos...).
Assim, p'ra resumir a ópera: siga a orientação de nossa campanha 2006.


No Preservativo Musical encontrei um grupo sueco Loose Ends da cidade de Uddevalla, que leva um som muito legal... uma "misturaiada" de blues, rock e jazz.

Patrik Hansson: Lead Guitar (Composer)
Anders Josefsson: Drums
Magnus Gustafsson: Bass
Ingvar Andersson: Lead Guitar
Christer Olofsson: Trombone


BackGround do I Dig it 010 - George Gershwin e seu Rhapsody in Blue.

Friday, April 07, 2006

I Dig it 009



O I Dig it #009 teve como tema: a voz... então nada melhor que Chico Buarque de Holanda iniciar esta edição:


Chico Buarque : A voz do dono e o dono da voz
Letra e música: Chico Buarque
In: "Almanaque" 1981

Até quem sabe a voz do dono
Gostava do dono da voz
Casal igual a nós, de entrega e de abandono
De guerra e

Fizeram bodas de acetato - de fato
Assim como os nossos avós
O dono prensa a voz, a voz resulta um prato
Que gira para todos nós

O dono andava com outras doses
A voz era de um dono só
Deus deu ao dono os dentes, Deus deu ao dono as nozes
Às vozes só deu seu dó

Porém a voz ficou cansada após
Cem anos fazendo a santa
Sonhou se desatar de tantos nós
Nas cordas de outra garganta
A louca escorregava nos lençóis
Chegou a sonhar amantes
E, rouca, regalar os seus bemóis
Em troca de alguns brilhantes

Enfim, a voz firmou contrato
E foi morar com novo algoz
Queria-se pensar, queria ser um prato
Girar e se esquecer, veloz

Foi revelada na assembleia - ateia
Aquela situação atroz
A voz foi infiel trocando de traqueia
E o dono foi perdendo a voz

E o dono foi perdendo a linha - que tinha
E foi perdendo a luz e além
E disse: Minha voz, se vós não sereis minha
Vós não sereis de mais ninguém

(O que é bom para o dono é bom para a voz)



E neste aqui retomei minhas origens de tempo máximo (vocês já perceberam que neste quesito minha "escola de samba" tem notas das mais variadadas...

Como diz o Zé Simão "quem fica parado é poste..." a evolução, pois, é necessária senão daqui a pouco vai me dar uma vontade danada de fundar uma associação qualquer, registrar um estatuto, eleger uma diretoria, alugar uma sala para uma sede provisória, desenvolver uma campanha para manter um mínimo de ação mantenedora por parte dos associados e bolar uma campanha pra construção de sede própria, agilizar a campanha de re-eleição... sei não... Deixa eu vou voltar pro Podcast que é o meu objetivo.

Um agradecimento ao pessoal novo que anda assinando o Podcast... (Geeeeente, o I Dig tá crescendo!) Ô pessoal... dêem o ar da graça via comentários, aqui ou lá no Vocepod.

Desde a edição anterior divulgo os audio-comments (enquanto existirem) daqueles podcasters que responderam meu audio-spam (tem gente devendo na praça... prometeu, se prontificou e até agora... nada) e de gente que enviou seu comentário em audio. Os comentários foram distribuídos ao longo do programa: Sergio Lima, Max Borges, Aline, Diogo Lopes e Alexandre Sena.

No Manual do Torneiro Mecânico teço alguns comentários sobre o Podzinger (www.podzinger.com) e como achei a pérola tucana:





Depois do "esqueçam do que escrevi" o danado escreve um "foi sem querer..." Olha só o título do novo livro do entrevistado no Leonard Lopate Show de 27 de Março - The Accidental President of Brazil !!!!!!!!



Já no Homo Sapiens não resisti e face a este marasmo futebolístico, prestei - com uma nostalgia danada - uma singela homenagem a um dos maiores jogadores de futebol dos últimos tempos... Quem viu, viu. Quem não viu tem que acreditar...






No Caiu na Rede, viajando para a Europa, descubro um filtrador bi-valvulado de respeito... Juro que sotaque lusitano em inglês é a 1ª vez que ouço... se é inglês aquilo pronunciado pelo Amadeu... Ahnnn, e eu esqueci de comentar no áudio: prestem atenção no back vocal, é hilário!!!!

Falando em back vocal, no É a Ignorança qui Astravanca o Progréssio volto a andar de metrô e narro meu encontro messiânico com um exasperado orador evangélico e seus pequenos cantores de temas gospell da zona leste de São Paulo em pleno trem em movimento... Socooooooooooorro!!!!!!!


No Jazz em Paz chuto o pau da barraca mesmo só pra confrontar a minha voz com algo divino. Deixo os ouvintes com Bobby McFerrin "tocando" BlackBird (Beatles, lembra?!)
















No BackGround (o véio BG) vamos de Duke Ellington e Joe Coltrane em dose dupla (The Feeling of Jazz e In a Sentimental Mood); Take 6 interpretando Setembro; e Chick Corea e Bobby McFerrin arrebentando com Blue Bossa. Fui!!!

Sunday, April 02, 2006

Febeapa [006]

Ontem eu 'tava aqui, pendurado no computador, ajustando meu podcast e a tv ligada... como sou um "zappista" de primeira, alucinadamente 'tava girando os canais quando dei de cara com os irmãos cartunistas Chico e Paulo Caruso, cantando uma daquelas suas musiquinhas políticas e hilárias ("... mas se tudo acaba em pizza. Catso! O que será de mim?), devidamente paramentados com estampas de pizza pelo terno e acompanhados pela banda, a qual possui, entre outros, como membros o também cartunista Aroeira e o escritor Luis Fernando Veríssimo (este filho de Érico Veríssimo - por favor leia a obra deste gaúcho!!!).

De repente, ao final do número, chega o graaaande Amaury Jr. de microfone em punho, e, após fazer algumas perguntas insonsas e óbvias à dupla de gêmeos - que galante e jabaculescamente as responderam sem titubear nem cair na gargalhada - do alto de toda aquela sapiência exemplar dirige-se ao Luís Fernando Veríssimo e - valentemente - inicia uma pretensa entrevista (justo com quem meu-deus!!!!).

Pergunta a besta do Amaury: "Com toda esta tecnologia presente, com a Internet, você não teme que ela acabe com seu trabalho, com sua profissão?
Responde o zen LFV: De modo algum. Ainda não inventaram um computador que escreva.

Pano rápido - e eu me ralando de rir...