Google+ Followers

Friday, October 27, 2006

I Dig it 022

Impressões Digitais Compacto Duplo vigésima-segunda edição




LADO A: Autumn in New York (Billie Holiday, born Eleanora Fagan)
LADO B: Autumn in New York (Ella Fitzgerald & Louis Armstrong, born "Satchmo")

Autumn In New York

[ella]
Autumn in new york
Why does it seem so inviting
Autumn in new york
It spells the thrill of first-nighting

Glittering crowds and shimmering clouds
In canyons of steel
They're making me feel - I'm home

Its autumn in new york
That brings the promise of new love
Autumn in new york
Is often mingled with pain

Dreamers with empty hands
They sigh for exotic lands

Its autumn in new york
Its good to live it again

[louis]
Autumn in new york
The gleaming rooftops at sundown
Oh, autumn in new york
It lifts you up when you run down

Yes, jaded rou‚s and gay divorc‚es
Who lunch at the ritz
Will tell you that its divine

This autumn in new york
Transforms the slums into mayfair
Oh, autumn in new york
You'll need no castles in spain

Yes, lovers that bless the dark
On the benches in central park
Greet autumn in new york
Its good to live it again

[trumpet solo]

[ella]
Autumn in new york
That brings the promise of new love
Autumn in new york
Is often mingled with pain

Dreamers with empty hands
They sigh for exotic lands

Its autumn in new york
Its good to live it again


Láááá no hemisfério norte é Outono, e como acho o outono "muito-mais-meió-di-bão" das estações do ano, homenageio a dita neste Compacto Duplo. Com uma obra (Autumn in New York) famosa e composta por um russo de nascença! (Vladimir Dukelsky, aka Vernon Duke).

Homo Sapiens - E como a política permeia este período brasileiro, abandono o compromisso de tratar sobre cultura e arte, e retomo um assunto que rabisquei com o Vito, o Federico e o Jacques Georges no Rossopomodoro #37... Adentro mais profundamente na relação sociedade-representantes políticos deste brasilzão-de-meu-deus e as responsabilidades do lado externo do Congresso Nacional. Acabando por concluir aquilo que deus disse na velha piada logo após de ser informado que o país Brasil, que acabara de criar, não tinha furacão, tufão, terremoto, maremoto, gelo, nada... absolutamente nada, era um paraíso; e voltando-se para o interlocutor, emendou: "não tem desgraçada natural nenhuma? pois bem, espera só pra ver o povinho que vou colocar lá nele..."

Como complemento deste assunto, amplio o espectro e reproduzo as idéias do cientista político Jorge Castañeda da Universidade de Nova York divulgadas pelo seu artigo Latin America's Left Turn da revista Foreign Affairs, onde esmiuça a guinada à esquerda da America Latina e sua duas vertentes.

Nos "finalmente" deste Impressões o relapso do produtor/diretor/locutor/editor/técnico/pós-produtor e rapaz do cafezinho volta para informar o resultado do Concurso do Arkady V Deznhev, reproduzindo o áudio que o Rubem Luiz gentilmente enviou (após eu ameaçá-lo de morte).

BackGround - Como o assunto gira entorno de Nova York, América e Outono, ao fundo deixo rolando - pela ordem - As versões arrasadoras de Autumn Leaves: primeiro de Miles Davis & John Coltrane; e depois a de Wynton Marsalis; e por fim a versão clássica de Autumn in New York de Charlie "Bird" Parker.

Autumn Leaves
Joseph Kozma/Jacques Prevert

The falling leaves drift by the window
The autumn leaves of red and gold
I see your lips, the summer kisses
The sun-burned hands I used to hold

Since you went away the days grow long
And soon Ill hear old winters song
But I miss you most of all my darling
When autumn leaves start to fall

No comments: