Google+ Followers

Friday, February 23, 2007

Nível de Pressão Sonora ou Nível de Referência?






ArtPC_004_23fev07



Durante estas semanas eu tenho conversado com várias pessoas na busca de assuntos de interesse para estes artigos. Algumas sugestões foram ótimas, outras nem tanto... mas uma me chamou a atenção:
- "... por que você não escreve sobre nível?" Deu a dica um grande amigo - eu imediatamente retruquei:
- "Nível? Que tipo de nível?" - e obtive, de imediato, a resposta:
- "Nível de gravação, volume".
- "Ahn... zero dB..." - murmurei.
Agradeci e não disse nada, uma vez que já havia aventado a possibilidade de escrever sobre este assunto e havia desistido.
A verdade é que "volume" é algo muito difícil de compreender, e um pouco mais difícil de explicar. Posso ver você sentado aí, de frente pra seu computador, piscando os olhos em total descrédito, pensando: "Volume? Difícil de compreender? O Sérgio tá louco!!!! Ele - o volume, não o Sérgio - é alto ou baixo! Só isso! O Sérgio pirou de vez..."
Então 'tá! Vamos à luta, tentar explicar este conceito...
Você já leu, ou já ouviu por aí que 130 decibéis é um nível de ruído ABSURDAMENTE ALTO, doloroso e perigoso à integridade da audição humana. Para se ter uma idéia do isto seja, imagine-se ao lado de uma turbina ligada de um 767. Pronto! Isto é algo como 130 decibéis... Em comparação, um cochicho ao seu ouvido possui 20 decibéis.
Estranho né?! É que esta medida, decibél é logarítimica, assim como a escala Richter, ou seja, a cada unidade que se aumenta nesta escala, o seu valor equivale a 10 vezes mais que a unidade anterior...
Agora, p'ra você que utiliza um mixer (ou edita seus podcasts em softwares como Audacity, Garageband...) olhe bem para os indicadores de nível (ou controles das "tracks"), veja que estão graduados em dB (abreviação de decibél). Irá notar também que a escala parte de números negativos e que - no caso dos indicadores do mixer - a último led verde indica zero dB, os números positivos a seguir partem do amarelo, passam pelo laranja e atingem o vermelho.
Se você é um daqueles poucos que lêem manuais, sem dúvida leu o texto que orienta você a manter seu nível sonoro de gravação em torno da marca 0 dB.
Peraí? PÁRA TUDO!!!!! Se 20 dB é um suspirinho quase inaudível, e 130 dB é uma ensurdecedora turbina de jato, então 0 dB é... é... é o que?!???
Ahá!!!!! EU NÃO DISSE QUE VOLUME É ALGO COMPLICADO!
'Tá bom, confesso... Deliberadamente criei uma confusãozinha aí em cima. O que eu não disse antes, é que a palavra decibél pode ser usada para descrever mais que uma coisa. Enquanto para o exemplo do jato ela se refere ao "Nível de Pressão Sonora" de 130 dB, a marca de 0 dB do mixer é um "Nível de Referência".
Se você, mesmo assim, não entedeu toda esta bagunça, relaxa, não se preocupe... Esta questão de Nível de Pressão Sonora só interessa para quem deseja trabalhar em ambiente com alto nível de ruído (pista de aeroporto, usinas siderúrgicas, britador de rochas, etc.). Para você - que certamente está lendo isto aqui porque está interessado ou pretendendo gravar (ou gravando) podcasts - há somente três condições de volume a serem consideradas:
1. Quando ele é alto;
2. Quando ele não é tão alto ou não suficientemente alto; e
3. Quando ele é às vezes alto, às vezes não.
Você - com toda a certeza deste mundão-véio-de-guerra - sabe que para gravar um podcast há um montão de outras coisas a serem consideradas. No entanto, lembro, tudo pode desmoronar se não mantivermos nossos olhos nas questões - digamos - básicas.
Então, o que é volume? Se você digitar esta questão no Google, irá conseguir respostas bem estranhas (a mais maluca que encontrei foi "Volume é um termo genérico que descreve o nível de atividade em um mercado, porém referindo-se especificamente ao número de ações negociadas em um mercado ou de um título em particular" - eu tenho uma vaga compreensão do que isto quer dizer, mas se você não entender o economês aí, tudo bem... passa para o próximo parágrafo).
Mas, lá também encontrei uma outra definição bem mais adequada ao nosso problema:
"Volume é um termo usado para descrever o nível de um sinal de áudio, ou a intensidade do som."
Então, na gravação de um podcast - antes de qualquer outra coisa - tenha certeza que o volume está certinho. Senão vejamos as condições que indiquei acima:
1. Alto - Ou melhor, Muito alto. Quando o sinal é maior que aquele que o aparelho pode controlar, temos o "clipping", o som "estoura". Tenho certeza que você já ouviu um "clipping" (principalmente se ouviu meus primeiros podcasts - rsrsrsrsrs), quando um pico de sinal é tão alto que o gravador/mixer/editor não consegue processar o resultado é uma horrível distorção. Isto ocorre porque o sinal é "chanfrado" ("clipped") no nível máximo de controle do aparelho. O sinal, de forma senoidal em condições ótimas, irá parecer como uma onda quadrada, algo assim como o morro carioca do Pão de Açúcar com o pico chanfrado, retinho...


2. Não tão alto ou não suficientemente alto - Quando um sinal "estoura", ele é destruído. Não há salvação para a região acima do limite de "clipping"! Então o que se deve fazer? Simples. Diminua o volume. Mas atenção! Fazendo isso você irá inserir um novo elemento na equação: RUÍDO. Quanto menor o volume de gravação mais ruído o ouvinte irá ouvir na reprodução. Este é um fenômeno prefeitamente normal. Qualquer sinal - não importa a excelência da gravação - contém ruído. Normalmente isto não é um grande problema, desde que seu sinal tenha sido gravado com um nível suficientemente alto (sem "clipping"), aí o ruído quase não e notado. Diminua o volume de gravação e - pimba! - o ruído se torna irritantemente audível. Esta interação dinâmica é chamada de taxa sinal/ruído. Faça um teste: no volume que você grava seu podcast aperte a tecla record e não grave nada. Agora ouça o que gravou e vai escutar um barulho contínuo. Por isto é importante que você faça suas gravações com nível de áudio mais alto possível sem causar distorções.
O que nos leva à diferença de nível de sinal durante a gravação, ou seja,
3. Às vezes alto, às vezes não - Mesmo quando você consiga manter um confortável equilíbrio entre oscilações do nível de áudio (sem "estourar" o nível e uma adequada taxa de sinal/ruído), não será possível evitar - vez ou outra - um aumento (ou redução) repentino do volume (um nota aguda de um instrumento ou de um cantor, um grito em meio a uma narração sussurada...). Isto não vai arruinar seu podcast, pode ficar tranquilo. Mas se o danado possui grandes diferenças de volume a todo momento, prepare-se. O ouvinte de podcast odeia ter que ficar corrigindo o volume na munheca a cada 30 segundos, e se isso ocorrer, com certeza - mais cedo ou mais tarde - você vai perdê-lo.
Ainda bem que você pode brincar com o volume mesmo depois de gravar o podcast. É possível minimizar a dinâmica das diferenças com uma boa e cuidadosa edição (no Audacitiy, p. ex., você deve estudar o efeito Normalize). Você pode usar também um softwarezinho ducapeta gratuito chamado Levelator (versões Ubuntu, OS X e Windows - www.gigavox.com). Mas cuidado! Tudo tem seu preço... abusar da "normalização" na edição pode deixar sua voz com o jeitão daqueles locutores de rádio.
E você pensou que eu estava louco quando disse que volume era algo complicado...


Sérgio Vieira - autor deste artigo estudou eletrotécnica
no nivel colegial (hoje 2º grau) e engenharia elétrica
e eletrônica na faculdade (se bem que aquela época
ainda se usavam válvulas e réguas de cálculo,
apetrechos substituídos na faculdade por circuitos
solid-state e uma HP25); e mesmo assim, após horas
e horas na edição de seu podcast, malemá consegue
no máximo uma vozinha danada de ruim.

http://impressoes.vocepod.com
idigitais@gmail.com

No comments: