Google+ Followers

Friday, November 19, 2010

Templo

22 de maio de 1979

Templo

Em meus dias paralelos,

Às suas noites aneladas.

Em meu cosmo balbúrdia,

Minha alucinação, descrente

Num paradoxo ateu de segunda-feira,

De fome, e de nome;

Em meu passado tão presente,

De gemidos e calabouços engendrados,

De hipnótica sonolência arquivada.

Em meu segundo, terceiro ou quarto,

Tempo ou numeral, não importa!

Na aguerrida sobrevivência natimorta;

No útero enlameado e podre, 

Concebido no uivo agonizante 

Ainda entalado nas bocas das covas.

Escarrado e incandescente.

Infinito e descabido.

Ordenadamente desencontrado me habito. 

Posted via email from Anotações Nada Notáveis

No comments: